A Medicina Biomolecular foi regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina na Resolução 1500/1998 e homologada na Resolução 1938/2010 com a assessoria da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular.
 

ANGINA PECTORIS

 

 

                 

 

  • ANGINA PECTORIS - Hipoglicemia, Insulina - A angina pectoris pode ser induzida por hipoglicemia espontânea ou por hipoglicemia induzida pelo aumento nda administração de insulina. "Glucose Deficiency as a Factor in the Production of symptoms Referable to the Cardiovascular System," Harrison TR, et al, Am Heart J, August, 1943;26(2):147-163. 32436

     

    ANGINA PECTORIS - Marcadores de Inflamação - Altos marcadores de inflamação incluindo a proteína C-reativa, fibrinogênio e a taxa de sedimentação de eritrócitos na admissão foram associados a resultados menos eficientes no hospital em pacientes com anginas instáveis. "Inflammatory Status as a Main Determinat of Outcome in Patients With Unstable Angina, Independent of Coagulation Activtion and Endothelial Cell Function," Verheggen PWHM, et al, Eur Heart J, Aprill 1999;20(8):567-574. 32094

     

    ANGINA PECTORIS- Lipídeos - A modificação lipídica pode reduzir a incidência de angina e é consistente com o espasmo da teoria de resist6encia de vasos do mal do coração isquêmico. "Pravastatin Treatment in Angina Pectoris,"Hellstrom HR, Circulation, August 5, 1997;96(3): 1059-1060. 32428

    ANGINA PECTORIS-Magnésio - 15 pacientes que tiveram 41 episódios de ataques de angina receberam 1  bolus de 10 ml com 20% de solução de sulfato de magnésio  em um minuto, prevenindo outros ataques em 4 casos. Este bolus intravenoso foi seguido de 1mEq Mg/Kg de peso corpóreo como sulfato de magnésio, que foi dado intramuscularmente a cada 4 horas em 5 doses. "Magnesium Sulfate in the Treatment of Variant angina,"  Cohen L and Kitzes R, Magnesium, 1984;3:46-49.32414

    ANGINA PECTORIS – Magnésio - 15pacientes com angina de Prinzmetal receberam 1 bolus de 10 ml com 20% de solução de sulfato de magnésio, por via intravenosa em 1 minuto. Os resultados mostraram que a hipertensão pulmonar induzida por "cold-pressor" e o fenômeno de Reynauld foram prevenidas com sucesso. "Propmt Termination and/or Prevention of Cold-Pressor-Stimulus-Induced Vasoconstriction of Different Vascular Beds by Magnesium Sulfate in Patients With Prinzmetal's Angina Pectoris,"Cohen L and Kitzes R, Magnesium, 1986;5:144-149. 32415

    ANGINA PECTORIS - Magnésio - 20 pacientes com angina variável comparados com 21 controles participaram de um teste de retenção  de magnésio de 24 horas com baixa dosagem de Magnésio 0,2mEq/kg peso corpóreo "magro" (lean body weight) por via intravenosa durante mais de 4 horas, os resultados mostram que os pacientes com angina variável apresentaram 60% de retenção de magnésio em 24 horas, enquanto os controles apresentaram 36% de retenção, o que sugere uma deficiência de magnésio em, al menos, em alguns dos pacientes com angina variável. "Magnesium Deficiency Detected by Intravenous Loading Test in Variant Angina Pectoris,"Goto K, et al, Am J Cardiol, March 15, 1990;65:709-712. 32431

     

    ANGINA PECTORIS - N-acetilcisteína, Agregação de plaquetas - 54 casos com angina pectoris estável comparados com 25 casos normais, pacientes tratados com 150mg/diária de aspirina mostraram potenciação dos efeitos antiplaquetas da mitroglicerina pela N-acetilcisteína em apcientes com síndrome de isquemia aguda. "N-Acetylcysteine Potentiates Nitroglycerin-Induced Reversal of Platelet Aggregation,"Chirkov YY and horowitz JD, J Cardiovasc Pharmacol, 1996;28(3):375-380. 32411

     

    ANGINA PECTORIS - Óxido nítrico - 20 pacientes (Média de idade 38 anos) com angina pectoris instável e 20 voluntários saudáveis (média de idade 35 anos) que foram usados como controle: os resultados mostram que a liberação de fatores semelhantes ao óxido nítrico (Nitric oxide-like factor) das células polimorfonucleares em pacientes com angina instável foi menor que no grupo de voluntários combinado."Low Formation of Nitric Oxide in Plymorphonyclear Cells in Unstable Angina Pectoris,"Mollace V, et al, Am J Cardiol, July 1, 1994:74: 65-68. 32430

     

    ANGINA PECTORIS - Selênio, Vitamina E - 35 pacientes com angina instável e 18  pacientes com angina estável comparados com 78 controle saudáveis, todos entre 39 e 80 anos de idade: houve 17% de redução de concentração de selênio em hemoglobinas em pacientes com angina instável quando comparados com os controle, enquanto houve uma redução de 6,4% nos níveis de selênio plasmático em pacientes com angina instável. Os níveis de vitamina E dos eritrócitos foram reduzidos em 21% dos pacientes com angina instável, enquanto os pacientes com angina estável apresetaram níveis de vitamina E 15% menores quando comparados com os controle. "Selenium and Vitamin E Concentrations in Plasma and Erythrocytes of Angina Pectoris Patients, "Sklodowska M, et al, Trace Elements in Medicine, 1991;8(3):113-117.32423

     

    ANGINA PECTORIS - Fumar - Fumar apresentou efeitos adversos no coração e interferiram com a eficácia de 3 drogas antiangina ( espeialmente com a nifedipina) em 10 casos com angina, que fumavam, no mínimo, 10 cigarros por dia por, no mínimo, 5 anos. "Cigarette Smoking and the Treatment of Angina With Propanolo, Atenolol, and Nifedipine,"Deanfield J, et al, N Engl J Med, April 12, 1984; 310(15): 951-954. 32408

     

    ANGINA PECTORIS  - Vitamina E - Em 60 pacientes com angina espástica coronária (CSA), 300mg/diárias de vitamina E ou um placebo foram ingeridos para avaliar a função vaso dilatadora dependente do endotélio. Antes do tratamento, pacientes com Csa apresentaram vasodilatação dependente do fluxo prejudicada, níveis mais baixos de vitamina E no plasma e níveis mais altos de substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARS) quando comparados com os controles. Em pacientes com CSA tratados com vitamina E, a vasodilatação dependente dofluxo foi reestabelecida com a redução associada de TBARS no plasma e os ataques de enzima. O estress oxidativo parece contribuir com a disfunção dependente de endotélio e ataques de angina em pacientes com CSA. A vitamina E melhora a vasodilatação dependente de endotélio nas artérias branquiais associada a redução dos níveis de TBARS e dos ataques de angina. "Vitamin E Administration Improves Impairment of Endothelium-Dependent Vasodilation in Patients With Coronary Spastic Angina,"Motoyama T, et al, J Am Coll Cardiol, November 15, 1998; 32(6):1672-1679. (Address:Dr. Hirofumi Yasue, Division of Cardiology, Kumamoto University School of Medicine, Honjo 1-1-1, Kumamoto City, Japan 860). 31134

     

    PEARL:A vitamina C também mostrou trazer benefícios na melhora da função endotelial em pacientes com doenças cardiovasculares. Isto faria sentido, uma vez que a vitamina C ajuda a regenerar a vitamina E , fazendo com que esta esteja mais disponível para reduzir o estress oxidante. Assim sendo, indivíduos com angina devem provavelmente ter  um aparato de defesa de antioxidantes que incluem vitamina C e E, carotenóides diversos, selênio, coenzima Q10, magnésio e L-carnitina.

     

    ANGINA PECTORIS - Vitamina E - Em 41 pacientes com angina pectoris foram administrados 300 mg/dia de acetato de alfa-tocoferol por via oral, por 2 ou mais meses. Os resultados não mostraram qualquer benefício em relação ao placebo. Nenhum efeito tóxico foi observado. "Failure of Alpha Tocopherol to Influence Chest Pain in Patients With Heart Disease,"Rinzler Sh, et al, Circulation, 1950;1:228-290.32424

     

    ANGINA PECTORIS - Vitamina E - Em 29 pacientes com angina ativa variável, 13 com angina variável inativa (nenhuma crise nos últimos 6 meses) 32 pacientes com estenose orgânica significativa de >75% e angina de esforço estável e 30 pacientes sem doenças da artéria coronária, os níveis do plasma  e vitamina E foram significativamente menores em pacientes com angina variável ativa do que em pacientes sem espasmo coronário, sugerindo que a deficiência da vitamina E pode estar associada com o espasmo da artéria coronária. "Vitamin E Deficiency in Variant Angina,"Miwa K, et al, Circulation, July 1, 1996; 94(1):14-18. 32426

     

    ANGINA PECTORIS - Vitamina E - Os resultados  de um estudo duplo-cego em 36 pacientes com angina pectoris que receberam 3.200 IU de vitamina E ou placebo diariamente por 9 semanas não demonstraram diferença no alívio dos sintomas com a vitamina E ou com o placebo. Na segunda parte do duplo-cego, que envolveu15 pacientes que já tomavam vitamina E entre 400 e 2400 IU por dia, 8 receberam doses de 3200 IU, enquanto 7 recebera, placebo por 9 semana. Os resultados mostram que os sintomas da angina pioraram em 4 dos 7 pacientes comparados com nenhuma mudança nos indivíduos recebendo a vitamina E. "A Double-Blind Trial of Vitamin E in Angina Pectoris,"Anderson TW and Reid DB, Am J Clin Nutr, October, 1974;27:1174-1178.32427

 

        

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© 2004 Associação Brasileira de Medicina Complementar. Todos os Direitos Reservados Rua Conde de Porto Alegre , 1985 - Campo Belo
São Paulo - SP - CEP: 04608-003
Tel.: 11-5093-5685